CBIC lançou o Programa Cidades Sustentáveis em Goiânia

CBIC lançou o Programa Cidades Sustentáveis em Goiânia e a Romanhol & Associados, através da sua equipe e do seu CEO Wellington Romanhol, marcou presença apoiando o programa que tem objetivos similares e somatórios ao Programa Maratona da Produtividade que estamos engajados.

SINDUSCON-13-05-2014---foto-Silvio-Simões-0009

Na foto da esquerda para direita: Wellington Romanhol (CEO da Romanhol & Associados e Coordenador do Programa Maratona da Produtividade), Carlos Alberto Moura (Presidente do Sinduscon-GO), Sílvio Barros (Ex-Prefeito de Maringá e Coordenador do Programa Cidades Sustentáveis) e Henrique Tibúrcio (Presidente da OAB-GO).

Reflexão sobre o futuro das cidades em sintonia com os anseios dos cidadãos está na pauta das discussões de diversos setores da sociedade. A realidade é que as cidades vêm crescendo aceleradamente e, até 2050, seremos 3,1 bilhões de pessoas nos grandes centros urbanos, segundo estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo dados do IBGE, mais de 90% da população do Estado já vive em cidades. Em Goiânia, esse número aumenta para quase 100%.

Para discutir um modelo sustentável, que leve em consideração o desenvolvimento econômico, a preservação do meio ambiente e condições de vida dignas para a população, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) se uniu à Secretaria Municipal da Indústria e Comércio, Ordem dos Advogados do Brasil seção Goiás (OAB-GO), Fórum Goiano da Habitação e outras 20 entidades de classe e lançaram no passado 13 de Maio o Projeto Cidades Sustentáveis, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Goiânia.

Silvio Barros O lançamento do projeto contou com palestra de Sílvio de Barros, ex-prefeito de Maringá e coordenador da iniciativa da CBIC. Barros apresentou a experiência desenvolvida na cidade paranaense, que se tornou uma referência de participação popular, sustentabilidade e inspirou a criação do Cidades Sustentáveis. “Precisamos repensar nossas cidades com responsabilidade e prepará-las para um futuro melhor”, defendeu.

natalia-garcia

Também participou do evento a jornalista Natália Garcia, coordenadora do projeto Cidades para Pessoas. Ela mostrou as ideias urbanas e práticas dos cidadãos que melhoram o cotidiano urbano, coletadas em suas viagens pelo mundo para captar estas experiências. Copenhague, Amsterdam, Londres, Paris, Friburgo, Estrasburgo, Lyon, Barcelona são algumas das cidades já visitadas pelo projeto.  Fez uma análise inteligente do Goiânia, com a impressão coleta após alguns dias andando a pé e principalmente de bicicleta em nossa cidade.

Foi incentivado a formação de um grupo de discussão que tem o objetivo de envolver a sociedade e o poder público para desenvolver um plano de ação contínuo na busca de soluções concretas para os desafios levantados. Uma assembléia popular, formada pela sociedade civil, lideranças comunitárias e representantes classistas de todos os segmentos será constituída para contribuir com o processo. O trabalho será permanente pelos próximos 20 anos. As alternativas de soluções dos problemas devem ser trabalhadas com a administração pública da cidade. A CBIC dará todo o subsídio técnico para o grupo.

O projeto Cidades Sustentáveis selecionou a capital goiana juntamente com a outras três cidades – Porto Velho (RO), São Gonçalo do Amarante (CE) e Joinville (SC) -, para receberem o projeto piloto, em razão de seu crescimento e perspetiva de grande desenvolvimento nos próximos anos. Além das entidades do Fórum Goiano de Habitação e OAB-GO, em Goiânia, a iniciativa passou a ser encampada também Secretaria Municipal da Indústria e Comércio porque a pasta está, paralelamente, desenvolvendo a Maratona da Produtividade com objetivos similares.

Diversas entidades presentes no projeto, entre elas a Associação das Empresas do Mercado Imobiliário Goiás (Ademi), Associação Goiana do Ministério Público, Associação dos Magistrados do Estado de Goiás, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás, Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás, Sindicado dos Condomínios e Imobiliárias, Universidade Federal de Goiás, Universidade Estadual de Goiás, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiro de Goiânia, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Associação Comercial e Industrial de Goiás, Adial, CDL, Fieg, OAB.

Piloto Maringá

Maringa-com
Em Maringá, case de sucesso que inspirou o projeto da CBIC, o planejamento do futuro sustentável da cidade iniciou ainda em 1996 com a participação da sociedade civil organizada. Foi criando também uma entidade deliberativa, o Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem), que permanece até a atualidade e é responsável por propor e executar ações de desenvolvimento da cidade. “Essa entidade faz a conexão entre a sociedade organizada e o poder público”, explica Sílvio de Barros.

Entre os resultados atingidos em Maringá, Sílvio destaca a realização de projetos na área de mobilidade urbana, transporte de pessoas e cargas, ações aduaneiras, ações de cunho político como aumento da representatividade parlamentar, redução da burocracia pública para aprovação de projetos e abertura de empresas, entre outras. “O grande alvo dessa iniciativa é oferecer uma melhor infraestrutura para a população, desenvolver um trânsito menos caótico, serviços públicos eficientes, conservação dos recursos naturais e outras questões essenciais para a qualidade de vida”, disse. Contudo, os resultados dependem da sociedade estar realmente engajada no conselho.

“Precisa-se de pessoas apaixonadas por Goiânia para compor o conselho popular do Cidades Sustentáveis” -Sílvio Barros.

Créditos desse release: Raquel Pinho, Jornalista da Comunicação Sem Fronteiras

O que achou? Deixe um comentário.

Categorias: Inovação, Liderança, Maratona da Produtividade

Tags: , , , ,